Até bem pouco tempo, os atendimentos médicos virtuais eram raridade. Por conta das regras do Conselho Federal de Medicina (CFM) que proibiam consultas remotas, o telediagnóstico (embora autorizado pelo órgão), não fazia parte da rotina da maioria dos médicos. Porém, tudo mudou a partir das novas necessidades impostas pela pandemia. Com a necessidade de ampliar a telemedicina diante do isolamento social, o CFM passou a permitir consultas sem a exigência de contato presencial entre médicos e pacientes. Com isso, assistência à saúde a distância ganhou força e hoje é uma modalidade já popular entre os brasileiros.

Essas alterações, embora feitas de forma emergencial, permitiram que a telemedicina fosse explorada em suas várias possibilidades. Assim, o telediagnóstico também ganhou espaço, especialmente por conta das evoluções recentes da tecnologia.

telediagnóstico

Telediagnóstico pode ajudar em diversas especialidades e situações

Por definição, telediagnóstico consiste no diagnóstico realizado a distância. Para o Ministério da Saúde, trata-se do serviço que utiliza as tecnologias da informação e comunicação para realizar serviços de apoio ao diagnóstico através de distâncias geográfica e temporal. Assim, exames de diversas especialidades podem fazer uso de softwares ou plataformas específicas capazes de transmitir sinais biológicos e imagens de natureza médico ou radiológicas.

Antes de tudo, é importante esclarecer que telediagnóstico e telemedicina são atividades distintas. O telediagnóstico foca especificamente na interpretação de exames e no fornecimento dos seus respectivos laudos. Assim, diferentemente de uma consulta virtual, ele não envolve anamnese, avaliação do histórico médico do paciente, pedidos de exames nem prescrições de remédios.

Desta forma, na prática, o telediagnóstico pode ser aplicado tanto em situações eletivas quando em atendimentos de emergência. Desta forma, ele funciona como apoio a consultas presenciais ou remotas feitas por outros profissionais de saúde. Em ambos os casos, a conclusão dos exames é transmitida por meio do tráfego de dados com a ajuda de um software, usando a internet ou uma rede interna de comunicação. Assim, o profissional responsável pelo atendimento recebe o resultado, faz a conclusão diagnóstica e estabelece um tratamento.

Leia mais:

Como será o futuro da telemedicina?
Entenda as vantagens de um sistema de telemedicina completo
Como a telemedicina pode fazer parte da rotina da sua clínica

telediagnóstico

Acesso a profissionais especializados e mais segurança nos atendimentos

Graças à possibilidade de se recorrer a um profissional que não precisa estar fisicamente no local onde o exame é realizado, o telediagnóstico trouxe uma série de benefícios. E eles se estendem tanto para profissionais quanto para pacientes.

O principal deles é a melhora no acesso a serviços especializados, já que é possível ter à disposição um número bem maior de médicos que dominam técnicas cada vez mais refinadas de avaliação de exames. Por isso, o telediagnóstico funciona como um grande aliado para médicos, que passam a contar com mais segurança na conduta e no tratamento a serem adotados.

Mais rapidez e agilidade nos laudos por telediagnóstico

Além disso, outro ganho significativo dos serviços de diagnóstico remotos é a agilidade. Com profissionais disponíveis em qualquer lugar e em qualquer horário, os médicos podem contar com os resultados dos exames em muito menos tempo. Isso também dispensa a necessidade de deslocamento de profissionais a localidades onde a oferta de especialistas é precária. Assim, o acesso aos laudos ocorre de forma mais rápida e simples, o que pode fazer uma enorme diferença no contexto de uma urgência.

telediagnóstico

Diminuição de custos

Imagine a necessidade de ter médicos especializados trabalhando presencialmente em todas as unidades de saúde de baixa, média e alta complexidade. Trata-se de uma realidade basicamente impossível em um país de território tão grande como o Brasil. Ainda mais levando-se em consideração clínicas e hospitais localizados muito longe de centros urbanos.

Com o telediagnóstico, o profissional pode trabalhar de qualquer lugar, prestando um serviço com a mesma qualidade, sem necessidade de se deslocar. Assim, deixa de existir a obrigatoriedade de um médico de prontidão no local, o que em muitas situações envolveria despesas altas ou seria simplesmente impossível.

No contexto do paciente, a possibilidade de contar com o telediagnóstico também significa a redução de custos. Em vez precisar ir até o local onde o profissional está – muitas vezes em outra cidade ou estado – ele pode ter o laudo em mãos sem a necessidade de se deslocar.

Leia mais:

 5 razões pelas quais você precisa digitalizar seu consultório
Como facilitar o atendimento com o GestãoDS
LGPD no consultório: como o Gestão DS cuida dos seus dados

telediagnóstico

Facilidade na assistência multidisciplinar

Como os resultados e laudos são emitidos em meio virtual, o compartilhamento dos exames com outros médicos no caso de equipes multidisciplinares fica bem mais fácil. Além disso, sem a necessidade de papéis, o armazenamento e o acesso a esses arquivos se torna muito mais seguro. Assim, todos os profissionais envolvidos podem consultá-los facilmente e sempre que necessário.

Agora que você sabe como funciona o telediagnóstico, que tal passar a contar com esse apoio nos seus atendimentos. Para isso, o primeiro passo é ter um sistema eficiente e alinhado a todas as necessidades de clínicas e consultórios. A Gestão DS oferece soluções para diversos perfis de médicos e especialidade, com a gama de serviços mais completa do mercado

Artigos Relacionados

Newsletter GestãoDS

Semanalmente os melhores conteúdos para médicos empreendedores.
Hidden
LGPD*
Ao enviar seus dados você declara que concorda com a nossa Política de Privacidade.
logo GestãoDS
Simples e Descomplicada – O melhor software para médicos com pacientes recorrentes.

Siga Nas Redes Sociais

Endeavor Scale Up
Todos os direitos reservados | Suno Sistemas – CNPJ: 23.640.571/0001-96 | Política de Privacidade e Termos de Uso