CID 10: classificação internacional de doenças completo

  1. Home
  2. »
  3. Clínico Geral
  4. »
  5. CID 10: classificação internacional de doenças completo
banner software médico completo para impulsionar clínicas e consultórios

Sumário

A CID atende a uma ampla gama de usos globalmente e fornece conhecimento crítico sobre a extensão, causas e consequências de doenças e mortes humanas em todo o mundo por meio de dados relatados e codificados com a CID. 

Os termos clínicos codificados com CID são a principal base para o registro de saúde e estatísticas sobre doenças na atenção primária, secundária e terciária, bem como nas declarações de causa de óbito. 

Esses dados e estatísticas dão suporte a sistemas de pagamento, planejamento de serviços, administração de qualidade e segurança e pesquisa de serviços de saúde. A orientação diagnóstica vinculada às categorias da CID também padroniza a coleta de dados e possibilita pesquisas em larga escala.

O controle epidemiológico é algo fundamental na saúde da população, pois realiza o estudo das doenças que surgem em determinado local, visando a elaboração de políticas para a sua gestão. E, para que esse trabalho seja realizado com eficiência e eficácia, houve a necessidade da criação de um padrão para classificar essas patologias. Nesse contexto foi criado o CID 10, uma estrutura criada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) que visa categorizar as doenças, com aplicação internacional.

Levando em consideração essas informações, este artigo se propõe a falar um pouco mais sobre o CID 10, seus objetivos, modos de consulta, entre outras informações. 

Confira a seguir!

CID 10

O que é CID Classificação Internacional de Doenças?

CID é a sigla para Classificação Internacional de Doenças, e diz respeito a uma série de normas constantemente revisadas que monitora, define e relaciona:

  • Doenças;
  • Sintomas;
  • Aspectos anormais;
  • Causas externas;
  • Sinais;
  • Queixas;
  • Conjunturas sociais.

Dessa forma, o CID é usado no cotidiano de médicos, no preenchimento de laudos, por exemplo. Podemos dizer que ele foi um marco para a área da saúde e, hoje, encontra-se em sua 10ª edição, portanto, é conhecido como CID 10.

Quais são as finalidades e usos do CID?

Como classificação e terminologia CID 11: 

  • permite o registro sistemático, análise, interpretação e comparação de dados de mortalidade e morbidade coletados em diferentes países ou regiões e em diferentes momentos;
  • garante a interoperabilidade semântica e a reutilização dos dados registrados para os diferentes casos de uso, além de meras estatísticas de saúde, incluindo suporte à decisão, alocação de recursos, reembolso, diretrizes e muito mais.

Quais os principais objetivos do CID?

Ao padronizar as patologias, o CID possibilita um melhor entendimento entre os profissionais de saúde, contribuindo para uma comunicação mais assertiva. Dessa forma, evita possíveis ambiguidades que poderiam causar danos ao paciente.

Na prática, uma mesma doença possui códigos idênticos, independente do país a que se refere. Isso evita falhas de tradução que podem causar dificuldades no tratamento.

O CID 10 também objetiva substituir no nome da patologia pelo seu código (composto de letras e números), evitando situações desagradáveis e discriminatórias pelo enfermo.

Além disso, a classificação internacional de doenças tem o poder de conduzir melhor a comunicação entre órgãos públicos, tornando o processo mais eficiente. Podemos perceber essa praticidade no serviço prestado pela Previdência Social, que utiliza o código da doença para conceder benefícios assistenciais e previdenciários à população.

O CID deve constar em atestados médicos?

De acordo com a Resolução nº 1819 do Conselho Federal de Medicina, o CID só poderá constar no atestado médico com o consentimento ou solicitação do paciente. Essa vedação também se aplica a outras situações, tais quais:

  • Preenchimento de guias de consulta;
  • Solicitação de exames de seguradoras;
  • Operadoras de planos de saúde.

No entanto, o profissional ainda precisa adicionar o CID na elaboração de laudos e documentos necessários para o tratamento.

Quais são as principais classificações do CID 10?

A padronização por meio do CID permite que as doenças sejam identificadas de modo rápido. Para tanto, cada classe descreve um conjunto de patologias que têm em comum, as suas causas.

A seguir, listamos as principais classificações e alguns exemplos das doenças que fazem parte delas:

  • Doenças infecciosas e parasitárias (A00 – B99): doenças bacterianas e intestinais causadas por protozoários;
  • Doenças endócrinas, metabólicas e nutricionais (E00 – E90): diabetes e desnutrição;
  • Transtornos mentais e comportamentais (F00 – F99): esquizofrenia e ansiedade orgânicos;
  • Afecções geradas no período perinatal (P00 – P96): síndrome da angústia respiratória do recém-nascido e infecção típica do período perinatal não especificada;

Confira CID específicos abaixo:

👉 CID A09: diarreia e gastroenterite de origem infecciosa presumível
👉 CID J06.9 – Infecção aguda das vias aéreas superiores não especificada
👉 CID J11 – Influenza (gripe) devida a vírus não identificado
👉 CID J44 – Outras doenças pulmonares obstrutivas crônicas

Como o CID 10 é utilizado em pesquisas?

A utilização do CID simplifica o processo de identificação de uma doença, fazendo com que o trabalho de pesquisadores seja facilitado. Assim, é possível verificar a existência de problemas de saúde em uma localidade ou em um específico grupo de pessoas.

A partir desses estudos são levantados dados — como a taxa de morbidade e de mortalidade —, fundamentais para o desenvolvimento de ações de combate às patologias e assistência à população afetada.

Esses números ajudam a identificar alguns fatores que colaboram para o aparecimento de epidemias e fundamentam as decisões do governo em relação às providências que devem ser tomadas, tanto para prevenir, quanto para lidar com uma situação mais grave.

Como fazer a consulta do CID?

A consulta do código de uma patologia pode ser realizada de diversas maneiras, inclusive por meio de sites ou aplicativos. Nessas opções, normalmente são oferecidas informações que levam em consideração a subdivisão da doença e sua classificação. Veja, a seguir, alguns sites que fornecem esses dados:

  • Medicina NET: a busca é feita tanto pelo código da doença quanto pelo nome;
  • CID 10: busca realizada pelo código;
  • DATASUS: disponibiliza uma tabela com as doenças e suas codificações.
  • Ministério do Trabalho e Previdência Social: cede a tabela da CID 10 e os dados de pessoas que recebem auxílio-doença em cada uma das patologias.

CID 11 – O que mudou com a nova versão?

A 11ª Revisão da Classificação Internacional de Doenças (CID-11) da Organização Mundial da Saúde (OMS) entrou em vigor em janeiro de 2022. Esta versão foi criada com o objetivo de ampliar a acessibilidade em múltiplos idiomas e simplificar tanto a estrutura dos códigos quanto a utilização de ferramentas digitais. 

Essa inovação visa auxiliar os profissionais de saúde no registro de patologias de modo mais eficaz e detalhado. A CID 11 distingue-se por ser a primeira edição totalmente digital, utilizando a tecnologia para aprimorar a prestação de serviços e o acesso à informação médica. 

Notavelmente, houve uma revisão significativa com relação à transexualidade, que deixou de ser classificada como um distúrbio mental, contribuindo para a luta contra a discriminação.

A CID 11 já está operante, essa revisão foi elaborada com contribuições de mais de 90 países, resultando em um banco de dados de classificação clínica e terminologia que facilita a elaboração de estatísticas na área da saúde.

A CID tem sido fundamental para nos ajudar a responder à pandemia de COVID-19 usando dados padronizados e continua sendo crucial para acompanhar o progresso em direção à cobertura universal de saúde. Esperamos que todos os países aproveitem os novos recursos poderosos da CID 11.” disse Samira Asma, diretora-geral assistente de dados, análises e entrega para impacto na Organização Mundial da Saúde (OMS). 

Entre as atualizações, a CID 11 oferece maior clareza nos termos para o público geral e facilita a codificação de detalhes cruciais, como a extensão de um câncer ou a especificidade de uma fratura. A nova versão também inclui diagnósticos atualizados para condições de saúde mental e a documentação digital de certificados COVID-19. 

Tais avanços refletem o progresso da medicina e os desenvolvimentos no entendimento científico. Por exemplo, os códigos relacionados à resistência antimicrobiana foram alinhados ao Sistema Global de Vigilância de Resistência Antimicrobiana (GLASS). Ademais, a CID 11 agora é capaz de registrar informações sobre a segurança nos cuidados de saúde, identificando e minimizando ocorrências que podem comprometer o bem-estar dos pacientes, como procedimentos inseguros nos hospitais.

“Um princípio fundamental nesta revisão do CID foi simplificar a codificação e fornecer aos usuários todas as ferramentas eletrônicas necessárias – isso permitirá que os profissionais de saúde registrem as condições de forma mais fácil e completa”, diz o Dr. WHO.

Além das atualizações de codificação e capacidade, a CID-11 inclui novos capítulos sobre medicina tradicional, saúde sexual e distúrbios de jogos – que agora foram adicionados à seção sobre distúrbios aditivos.

O que há de novo na CID 11?

  • 35 países estão usando a CID 11. 
  • Os usos atuais implementados da CID 11 incluem causas de morte, cuidados primários, registro de câncer, segurança do paciente, dermatologia, documentação de dor, alergologia, reembolso, documentação clínica, dicionários de dados para diretrizes da OMS*, documentação digital do status e teste de vacinação para COVID-19 resultados e muito mais.
  • O idioma francês agora está disponível ao lado do árabe, chinês, inglês e  espanhol, russo e mais 20 idiomas estão em andamento.
  • Integração em DHIS2. 
  • Codificação de terminologia com a ferramenta de codificação e API.
  • Codificação de doenças raras.
  • Suporte para codificação perinatal e materna.
  • 900 propostas foram processadas com base em contribuições de pioneiros, tradutores, cientistas, médicos e parceiros.
  • Codificação de grau e estágio para cânceres.
  • Descrições clínicas e requisitos diagnósticos para a saúde mental.

* As Diretrizes SMART da OMS incluem Cuidados Pré-natais (ANC), Planejamento Familiar (PF), Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST), Saúde Sexual Reprodutiva do Adolescente (ASRH), HIV, Imunizações (EIR), Saúde Infantil em Situações de Emergência (Em Care).

A CID 11 foi projetada especificamente para os seguintes casos de uso: 

  • Certificação e notificação das causas de morte
  • Codificação e notificação de morbidade, incluindo atenção primária
  • Casemix e Agrupamento Relacionado ao Diagnóstico (DRG)
  • Avaliar e monitorar a segurança, eficácia e qualidade dos cuidados
  • Registros de câncer 
  • Resistência antimicrobiana (RAM)
  • Pesquisa e realização de ensaios clínicos e estudos epidemiológicos
  • Avaliando o funcionamento 
  • Codificando as condições da medicina tradicional
  • Padrão de interoperabilidade nas Diretrizes Digitais da OMS e para Documentação Digital de Certificados COVID-19 (DDCC)
  • Documentação clínica 

Principais recursos da CID 11

  • A décima primeira revisão contém cerca de 17.000 códigos únicos, mais de 120.000 termos codificáveis ​​e agora é totalmente digital.
  • Algoritmo de codificação inteligente: agora interpreta mais de 1,6 milhão de termos.
  • Ferramenta de codificação de última geração: Codifica facilmente todos os detalhes.
  • Guia de referência digital.
  • Área de download da CID 11: Inclui planilhas, versão em pdf, tabelas de mapeamento, atualizações, lista de códigos que não devem ser usados ​​sozinhos e muito mais.
  • API integrada multilíngue.
  • Navegador multilíngue e ferramenta de codificação.
  • Funcionalidade off-line.

Veja mais sobre CID 10 | Lista de Tabulação para Morbidade

Não deixe de conhecer nosso software médico de gestão de clínica e fidelização de pacientes;

Picture of Felipe Ravanello
Felipe Ravanello
Sócio fundador e Diretor de Negócios e Crescimento da GestãoDS, sistema de gestão para clínicas e consultórios médicos com mais de 10 mil usuários ativos em todo o país. É mestre em Administração pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Host do podcast Prontuário de Gestão.