A jornada da saúde do Médico Empreendedor

  1. Home
  2. »
  3. Podcast - Prontuário de Gestão
  4. »
  5. A jornada da saúde do Médico Empreendedor
banner software médico completo para impulsionar clínicas e consultórios

Sumário

No décimo sexto episódio do Prontuário de Gestão, Felipe Ravanello, co-fundador da GestãoDS, conversou com o médico paliativista Gabriel Drumond, da Hygia Saúde, sobre a jornada da saúde do médico que, além de atender pacientes, também é gestor de uma equipe. Ao longo do programa, Gabriel falou sobre a importância do profissional abraçar sua vulnerabilidade e de ser como líder, um incentivador para a promoção da saúde de seus liderados. 

De acordo com Gabriel Drumond, os médicos e médicas possuem dificuldade em compreender a sua própria vulnerabilidade. Ele observa que os profissionais entram na faculdade de medicina com o pensamento de que vão curar pessoas, entretanto, Gabriel reflete que é frustrante analisar que não é exatamente assim que as coisas funcionam: Às vezes as doenças vão levar as pessoas

Com esse pensamento, segundo Drumond, os profissionais levam o medo de não errar para a gestão e, por essa razão, acabam tendo dificuldade para se desenvolver. Nesse sentido, ele salienta a importância do aprimoramento constante de processos na área da saúde, afinal, o evitável e a negligência devem ser combatidos sempre. Porém, isso não pode ser levado para a gestão: No empreendedorismo, o erro inédito é importante para o crescimento do gestor.

A saúde se perdeu um pouco em abraçar e aceitar a sua vulnerabilidade” – Gabriel Drumond

podcast A jornada da saúde do Médico Empreendedor com Gabriel Drumond

Conheça seus próprios limites

Outro ponto fundamental para o desenvolvimento do gestor é aceitar seus limites físicos e psicológicos.  Durante o bate-papo, o médico Gabriel Drumond frisou que a nossa energia é finita e que não é possível ter alta performance sem boas horas de sono, alimentação saudável e a prática regular de exercícios. No episódio, é destacado que uma boa forma de começar esses rituais é incluí-los na agenda de trabalho. Afinal, uma agenda extensa e cheia de compromissos não é sinônimo de produtividade. 

Além de aceitar sua vulnerabilidade e olhar para os seus próprios limites, como os(as) médicos(as) podem auxiliar suas equipes na promoção da saúde? De acordo com Drumond, um dos papéis dos gestores é ser exemplo para seus liderados e isso também inclui o incentivo a hábitos saudáveis. Para se ter uma ideia, segundo um levantamento feito pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), o afastamento do trabalho em razão de transtornos mentais aumentou em 40% no país em 2023. No topo da lista estão o transtorno misto ansioso e a depressão, com mais de 28 mil casos, conforme a matéria da TV Cultura

A importância de reuniões one on one

Em nosso programa, Felipe Ravanello ressaltou a importância do gestor estar próximo da sua equipe e promover reuniões de one on one (ou 1:1) com regularidade. O cofundador da GestãoDS observa que as 1:1 são essenciais para entender como está o ambiente de trabalho, como o liderado se sente e quais são as suas expectativas com a empresa. Essas reuniões devem ser realizadas em um ambiente que proporcione segurança para o liderado falar e é papel do líder ouvir. 

O que é 1:1?

A one on one (1:1) é aquela reunião que você como gestor(a), não pode deixar de fazer e se ainda não faz, precisa começar. De forma geral, as 1:1s são reuniões particulares que o líder promove de forma regular com os seus liderados diretos. Além de dar e receber feedbacks, o principal objetivo dessa reunião é fortalecer o relacionamento e confiança entre o gestor e sua equipe. 

Como organizar uma 1:1? 

O primeiro passo para promover uma one on one é definir sua periodicidade. As reuniões podem ser semanais, quinzenais ou mensais, considerando o contexto da sua clínica ou consultório. Após determinar a periodicidade das 1:1s, certifique-se de realizar a reunião em um ambiente que proporcione segurança para o seu liderado, para que ele possa falar sobre sua vida pessoal, o que foi bom e o que está sendo ruim no trabalho para o seu desenvolvimento.

Já o segundo passo trata-se de tornar este momento um ritual na sua empresa. Para isso, reserve um dia na sua agenda para realizar a one on one, estipule um tempo e local para a conversa. Se as suas reuniões são mensais, por exemplo, o ideal é estabelecer uma hora para a 1:1.

📌 Lembre-se: Não desmarque uma 1:1 a menos que seja muito necessário e busque, sempre que possível, agendar as reuniões no mesmo dia para que, de fato, torne-se um ritual.

Por fim, o terceiro passo é se preparar para a reunião. Após definir o dia da one on one, horário e marcar nas agendas, sua e do seu colaborador(a), é importante incentivar o liderado a se organizar para o momento, estipulando tópicos que ele gostaria que fosse abordado na conversa. É fundamental que você, como líder, ouça o seu liderado na reunião, afinal, é o momento da voz dele ser ouvida. 

A 1:1 na prática 

Para conduzir a one on one, é imprescindível que você tenha um roteiro de perguntas e um arquivo para anotar alguns pontos abordados pelo liderado na reunião. Entretanto, lembre-se de que ter um roteiro prévio não significa que você deve conduzir este momento. A função do gestor em uma one on one é ouvir e orientar o colaborador. Segundo James Stanier, o ideal é que o liderado fale 70% na reunião. 

Confira a seguir as perguntas indicadas por Felipe Ravanello, co-fundador da GestãoDS, para iniciar uma one on one. De acordo com Ravanello, este é um bom roteiro de questões para “quebrar o gelo” da reunião. Além das perguntas, ele observa que é importante conversar periodicamente com os liderados sobre carreira e como estão os objetivos traçados, no âmbito pessoal e profissional, para o ano. 

  1. Como você está na vida pessoal? 
  2. Como está o seu trabalho?
  3. O que você mais gosta de trabalhar aqui?
  4. O que não é divertido sobre trabalhar aqui?
  5. O que faz você desperdiçar mais tempo durante a semana?
  6. Tem alguma coisa faltando para você realizar o seu trabalho?
  7. Gostaria de aprofundar algum conhecimento do trabalho que realizamos hoje?
  8. O que você mais gosta na cultura da nossa empresa? 
  9. Você sente que está com a carga de trabalho certa? Já se sentiu sobrecarregado?
  10. Qual situação recente você administraria de maneira diferente?
  11. Existe uma situação específica que você gostaria de ajudar?
  12. Você tem dificuldade de trabalhar com alguém hoje? Por quê?
  13. Tenho algo a melhorar como líder? 

Se você já realiza 1:1, também vale perguntar: 

  1. Quais são as três coisas mais importantes que você gostaria de falar hoje em nossa reunião?

Pronto para descobrir como liderança e saúde podem caminhar juntas? Aperte o play no episódio completo abaixo e confira os insights de Gabriel Drumond, especialista em saúde e gestão.

Picture of Felipe Ravanello
Felipe Ravanello
Sócio fundador e Diretor de Negócios e Crescimento da GestãoDS, sistema de gestão para clínicas e consultórios médicos com mais de 10 mil usuários ativos em todo o país. É mestre em Administração pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Host do podcast Prontuário de Gestão.